terça-feira, 4 de janeiro de 2011

MÁSCARA





O rosto era bonito, o olho chamava para perto, a boca um largo sorriso. Isso parecia real. Sei que trocamos tudo, todo o tempo. Trocamos as meias, as roupas, o canal da TV, a música favorita que não é mais favorita, a toalha da mesa que deixou o resto das migalhas do jantar, tão detalhadamente elaborado. Tudo isso é normal, inofensivo e, de certa, forma necessário.
Só que tem gente que fica obcecado em trocas e, de repente, troca namorado, troca marido, troca filho, troca mãe, troca a vida. E coloca  uma máscara na cara, fingindo não trocar nada. Estilo próprio? Proteção? Medo? Talvez. O fato é que não mostrar o que está dentro é muito  perigoso para quem está fora.
Rosinha tinha sede de viver, encontrou Arnaldo, se encantou por sua aparência e, logo, ele passou a ser o grande companheiro de aventura, como ele era carinhoso, atencioso, amável. Até que, um dia, foram assistir um futebol. Arnaldo trancou a cara, encarou o time adversário como o mais terrível inimigo e ficou cego. O foco era o jogo. No alto falante, o narrador vibrava o gol do adversário e Arnaldo começou feito um louco a bater as cadeiras, chutar quem estava perto e xingar a mãe de quem se aproximasse. Ela pediu calma.
“Arnaldo,  por favor! É só futebol”
“Cale a boca, você não sabe nada.”
Rosinha paralizou, mas, ainda assim, voltou para casa com Arnaldo. Alguns meses depois, casaram-se e a cena repetia-se, ela já acostumada não falava mais com ele no horário do futebol. Às vezes, ele chegava irritado e, vez por outra, a xingava. No trabalho, sempre calmo, professor de religião, exigente, conhecedor da Bíblia.  Pouco falava, mais ouvia. Mas chegava em casa e ele não era mais ele. Certa vez, Rosinha demorou a chegar do serviço, cansada, duas conduções, pensava no jantar, tentava o celular desesperadamente no vai e vem do ônibus e só escutava a mensagem eletrônica. Desceu no ponto, dirigiu-se ao mercado, comprou pães e salsichas com a pretensão de preparar um cachorro-quente, entrou em casa, largou a bolsa na sala, já pegando o avental, dirigiu-se à cozinha. Arnaldo, na sala, a observava com o olhar critico, nervoso e bebia. Então, ela aproximou-se calmamente.
“Querido, que acha de um cachorro-quente?”
Ele apenas a olhou, existia ódio em seu olhar, ela sentiu como se o rosto daquele homem se transformasse, as expressões mudaram, não era ele, era outra pessoa. Ela ainda insistiu, já nervosa e temendo a reação do marido.
“Que acha, querido.”
Ele se levantou bruscamente e a empurrou.
“Não falo com vadias.”
Aquelas palavras doeram no fundo da alma de Rosinha. Ela não suportou a acusação. Levantou-se indgnada, mesmo com sua fragilidade tentou defender-se.
 “Você não tem o direito.”
Tentou falar, mas seu grito calou-se, com a mão forte de Arnaldo sobre seu rosto. Ela caiu, o olhou e as lágrimas desciam em sua face. Ele a encara:
“Não fale comigo, hoje, é o melhor que faz”, e sai, dirigindo-se ao quarto e deitando-se tranquilamente em sua cama. Depois de alguns minutos, Rosinha levanta-se vai ao espelho, passa a mão no rosto, vermelho, já inchado, chora com soluços de dor, de vergonha e imagina como será trabalhar no outro dia. O que direi para as amigas? Como vou esconder o meu rosto! Ele bateu no meu rosto, falava, aterrorizada com a vergonha de, supostamente, ser descoberto que apanhara na cara. Já cedo, pela manhã, ele arruma-se para o trabalho e se aproxima:
“Desculpa por ontem querida, eu te amo!”
Ela o olha, com o rosto ainda marcando com os dedos em sua face.
“Me desculpa”, repete Arnaldo. Ela cala-se, apenas balançando a cabeça e aceitando um beijo no rosto, no mesmo rosto marcado. Satisfeito, dirigi-se até a porta e diz:
“Bom trabalho, querida!”
Rosinha o olha, abaixa a cabeça, ainda sentada na cama. Pega o espelho, que está na cabeceira e diz  para si mesma:
“Não vou trabalhar, não uso máscaras como você.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário