quinta-feira, 8 de março de 2012

Oito de março!Por quê?


Oito de março!Por quê?

Você já parou pra pensar, porque oito de março é o dia internacional da mulher?

Funcionárias de uma fábrica de tecidos, no dia oito de março de 1957, fizeram uma grande greve. Queriam redução da carga diária de trabalho de dezesseis para dez horas, equiparação de salário com os homens, já que ganhavam até um terço do salário deles e tratamento digno no ambiente de trabalho.
Infelizmente a resposta a esta manifestação veio com total e brutal violência.

As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Em 1910 ficou decidido que oito de março seria o dia internacional da mulher em homenagem a elas. Mas somente em 1975 a data foi oficializada pela ONU.

O objetivo da data é discutir o papel da mulher na sociedade, com o esforço de quem sabe diminuir ou acabar o preconceito e desvalorização!

Hoje, ainda se tem muito a conquistar. Mas é preciso começar isso pelo nosso interior. Um número grande de mulheres sofre com o chamado baixa estima: Sensação de incapacidade, rotina, falta de aceitação, complexo com o físico...   Isso tudo, afeta o amor próprio, a capacidade para solucionar momentos difíceis. Tem que se lutar contra essa tendência de desvalorização, reconhecer as suas próprias qualidades.  Acreditar que é capaz.  Valorizar-se.  Não sentar e cruzar os braços, achando que o seu tempo acabou que não há nada para se fazer. O tempo não acabou e ainda há muito a se fazer. Quando se fala em mulher é fácil pensar em sentimentos, mas infelizmente uma grande parte ama a todos a sua volta, menos a si própria.

Desfrute você mesma, desenvolva suas habilidades, conheça-se, descubra o que gosta de fazer e faça. Lute por você! Reconheça que é única e especial!

Lene Dantas





terça-feira, 6 de março de 2012

O TEMPO



Sim a música tocava o tempo todo e ela lembrava lembrava lembrava.
Poxa! Era bom lembrar!
De repente tinha a chuva fina que molhava seus cabelos e ela corria sorrindo, de mãos dadas atravessavam a rua, de mãos dadas chegaram tarde da noite em casa, de mãos dadas despediram-se no último final de semana. Hoje,quando olha suas mãos lembra-se de seu amigo, lembra-se do gosto do cachorro quente e lembra-se das vezes que sorria sem motivo. E tudo era tão bom. Sim, era tão bom.
As mãos hoje têm tantas marcas. Nelas, encontra o cheiro das mãos dele. Vai à janela, ver as crianças correndo pelo jardim e cada gesto é tão familiar; O sorvete, a pipoca o jogo de pega, tudo é tão maravilhoso.
Onde será que está meu amigo agora? Gostaria muito de tocar suas mãos, correr mais uma vez pela rua sem pressa de chegar a casa e juntos observar o sol se por. Se eu pudesse olhar seus olhos mais uma vez, escutar aquele riso, se eu pudesse cantar junto com Ele nossas canções. Essa música, essa que toca agora, me leva pra junto daqueles dias. Vem, escuta comigo, ver se consegue sentir o cheiro do meu passado nessa doce canção. Cada um de nós, cada um, sentimos um cheiro quando nos lembramos do passado, e a música , faz com que nossa vida de repente der uma volta. Feche os olhos agora, e imagine todos os momentos felizes, sinta o cheiro da sua felicidade e aceite, diga para si que a vida é linda.
Ela, agora pega em seus dedos, dar um sorriso, os olhos brilham mostrando que nada passou. Está ali,viva. Sim viva, e é isso o que importa. Ainda se pode fazer muito e ela ainda pode sentir as gotas da chuva fina em seu corpo, pode escutar suas canções, pode abraçar seus queridos e mesmo sem seu velho amigo por perto, ainda pode sentir o toque de suas mãos nas suas. Devagar vai ao espelho sorrir como se estivesse fazendo isso pela primeira vez. Declama o poema que escreveu em uma noite que achou que não teria dia.

Sou apenas uma mulher
Como tantas outras
Sim, sou apenas uma mulher.
Trago comigo sonhos e desejos
Dores e desamores
Amores e desilusão
Trago comigo segredos
Nem sempre o que falo é o que eu queria
Nem o que sinto o que gostaria de sentir
Às vezes sou tão forte
Pinto meu nome numa águia que voa
Às vezes sou frágil que nem uma flor
Já fiz e refiz castelos
Já chorei e sorri de emoção
Já fingi nada sentir
Já amei mais do que acharia que pudesse
Talvez hoje eu pudesse parar de cantar um canto
Deitar e dormir simples e por muito tempo
Sim. Eu poderia!
Mas não quero.
Sou dona das minhas canções
Sigo e escolho o caminho que devo pisar
Nessa estrada sei que ainda tenho muito a fazer
Sei que ainda vou sonhar gritar e amar, amar perdidamente.
Mesmo que venham tempestades
Mesmo que eu me cerque de espinhos
Mesmo que às vezes me perca no caminho
Vou seguir e lutar
Chorando sorrindo
Perdendo ganhando
Vivendo amando
Sonhando tentando
Porque eu escolho viver e ser feliz!


A noite está chegando calmamente o sol despede-se e observa a chegada da lua, a mesma que em tantas noites sorriu para ela. Com as mãos entrelaçadas , fica com um sorriso despercebido como se conversasse calmamente com o tempo, como se dissesse ao tempo que ainda há tempo , sempre há tempo para recomeçar. E decidiu ficar acordada e indagar o tempo e suas lembranças. O tempo e a saudade.