sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O LABRADOR




“As paredes ficaram cinzas, a cama transbordou do vazio, as delícias murcharam e até o labrador emudeceu de tristeza.


Ele emudeceu, paralisou ou talvez esteja velho, por mais que eu faça e por mais que algumas vezes até consiga ver o brilho do seu olho radiante, logo tropeça em seus segredos e cabisbaixo afasta-se. Tenho pensado que isso acontece desde que ela... Não quero falar dela, foi-se, partiu e não quis deixar rastros, porém, não posso culpá-la eu sempre soube, eu sempre soube!



Mas o labrador não sabia, e em nenhum instante ele foi informado que aquela que ele instintivamente, achava ser mãe, partiria. O que ele sentia era o cheiro dela rodeando toda casa e nos olhos a tristeza de não ver seu semblante, quando chegava todas as tardes e sorrindo o acariciava. Às vezes iludido pelo barulho de alguns passos que viam nas calçadas corria ao portão, feliz, em saltos na esperança de encontrá-la, mas não era nada, não era ela e aqueles passos, aquela sombra que se aproximava nunca era dela. Dele ainda sentia o cheiro, que agora trazia um semblante pálido misturado com o mofo do coração que guardou. E tudo aconteceu naquela noite, àquela noite que como se por um aviso dos céus, ficou tudo repentinamente escuro e o que ele escutava era o sussurro do coração de Isabella. Brincou toda tarde e a mesma fez questão de dar-lhe banho, quando o abraço demorou-se seu latido ruiu repentinamente como se estivesse recebendo a solidão, não sentiu o afeto, sentiu o medo, sentiu a angustia no olho umedecido dela. Imediatamente tentou animá-la e deu voltas e voltas ao redor de todo jardim, pulava ao seu encontro e sorria ao latir. Em vão, em vão. Isabella ,entrou na casa e logo depois partiu , partiu e nem ao menos olhara pra trás, nem ao menos tentou levá-lo. E tudo o que viu foi seu vulto sumir rua abaixo.



Longe, Isabella pensava! Pensava na casa, pensava nas flores, pensava no labrador e pensava em Fernando. Não sabia se fazia o certo, mas sabia que era preciso está certa do erro e para isso, precisava retornar e naquele momento retornar era deixar tudo o que alegrava seus dias, tudo o que sua alma amava. Lembrou-se do caderno de anotações que esquecera na cabeceira da cama, não podia, não podia deixá-lo, arrumou-se para voltar, mas conteve-se e seguiu. Nas ruas tudo estava grande demais, as pessoas passavam rápido demais e o som era mudo. Cada passo era o seu passado voltando, o passado que não foi devidamente enterrado e que agora precisava encará-lo novamente.

Talvez Fernando não me perdoe, talvez nunca mais eu escute o som do seu riso, talvez... O labrador o fará companhia sei o quanto é apegado, eu não podia trazê-lo estaria tirando mais que um pedaço de Fernando, os olhos dele pareciam falar comigo quando o abracei, ele é um cão, mas sinto que ele me entende, espero que não sofra com minha falta. E Fernando? O que sentirá quando encontrar o escrito na geladeira, preso com um imã, como se fosse a lista das compras do supermercado ou a conta paga da luz? Meu Deus o que eu fiz? Mas, talvez não o deixe tão triste e ler possa ser mais fácil que ouvir.  Talvez entenda o que eu na minha fraqueza não pude falá-lo, talvez apenas rasgue meus versos e esqueça-se de mim.


Na casa as paredes escorriam a cor dos dias felizes. O labrador vez por outra se desassossegava e em uivos reclamava a inércia dos passos de Fernando que não a trazia de volta, não a trazia. Porém, quando sentia as mãos de Fernando o afagando, diminuía sua dor é como se os dois agora tivessem um contrato particular de amparar-se. Pela manhã recebia seu alimento, o dono era quieto e o sorriso era raro, ainda sentia o cheiro de Isabella e vez por outra procurava o portão no mesmo horário que costumava recebê-la, o tempo foi esvaindo-se e a falta dela o fez emudecer.



Fernando também se calou e começou a andar em outros lugares, ler novos livros e olhar novos olhares, seria um novo caminho, um caminho longe do tempo que se foi. Ainda assim, um dia cercado por seus fantasmas a encontrou em suas lembranças e em um email, escreveu:


“Por que foi embora?”

Cedo, percorreu toda casa mais uma vez, em busca do que ainda ficou dela e se livrou de todos os pertences, menos do caderno de anotações, esse ele guardou. Pôs numa caixa longe de suas vistas e o escondendo entre tantos outros documentos, fantasiava não saber possuí-lo, como se não vê-lo fosse suficiente para esquecê-lo. Então omitiu o saber possuir. E em busca de novos aromas e jardins, decorou seu coração com um novo sonho. Sim Fernando seguiu seu caminho com um novo amor. Entretanto o labrador tão intimo de tudo aquilo, mais uma vez não foi avisado, tudo ali era tão seu e ao mesmo tempo tão longe de ser seu que a única coisa que percebeu, foi as paredes sendo pintadas e a casa com um novo aroma. O cheiro era bom, não era o de Isabella, mas era bom, as flores começaram a abrir-se novamente e até escutava o ruído do sorriso de Fernando. Temeroso tentou evitar a nova cúmplice dos dias dele e Fernando, mas aos poucos seu latido voltou e os vultos que se aproximavam do portão todas as tardes já não o incomodavam. Era vida, sim a vida que voltava aquela casa.

Isabella se lembrava de seus afetos, ainda guardava em seu celular a foto de Fernando e do labrador, aquela imagem era o que tinha deles, era o que pode levar deles. Consultando seus emails, leu a frase que Fernando a enviou. E tudo aquilo que a atormentava e toda saudade contida a encontrou como um terremoto de sensações, lembrou-se do bilhete deixado na geladeira, lembrou do riso de Fernando e das brincadeiras com o cão. Decidida o escreveu, e foi descrevendo calmamente como sua vida mudara, até que... largou todo escrito e resolveu voltar e a vontade de chegar era tanta que não conseguia conter-se, no caminho imagina a casa , imaginava o jardim e imagina o pulo que Sansão daria em si. “Sim ele é tão agitado, ele é tão feliz!”

As ruas pareciam longas demais e cada passo a deixava sentir um frio na espinha. Não via a hora de poder tocar Fernando e falar, falar sobre tudo o que passara e tudo o que sentira e principalmente pedi-lo perdão. Aos poucos se aproximou percebeu que as paredes estavam coradas, o jardim florido e no portão nada encontrou, nada encontrou além do labrador ao longe, quieto a olhando, com uma tamanha indiferença que não a tratou nem como se fosse uma estranha, que irritando-se com sua presença, latiria enfurecido para amedrontá-la. Não, ele não se mexeu, nem ao menos o rabo balançou e quando pensou em chamá-lo ouviu vozes que não queria ouvir, e risos que não queria escutar. Afastou-se devagar e viu seu mundo, um mundo tão seu destruir-se. Viu que não cabia mais naquele mundo, nem naquela casa, nem no coração de Fernando e até mesmo não cabia mais na alegria do labrador. O labrador que tão indiferente a olhou, o labrador que nem ao menos se levantou. Escreveu rapidamente um bilhete, jogou na caixa de correspondência e partiu.

Aos poucos o labrador levantou-se e quando ela estava a uma certa distância sentiu-se seguro de aproximar-se do portão, não correu, não latiu, não abanou o rabo. Mas chorou em silêncio como ela fizera antes de abandoná-lo com os olhos úmidos. Percebeu que não era apenas mais um vulto que encontrava todas as tardes quando correndo a esperava no portão. Era ela, aquela que o pegou no colo ainda um filhote e que o acolheu. Mas, apesar da emoção de vê-la a deixou ir, não por não amá-la, mas por temer um novo abandono. O cheiro dela ficou ali nas grades daquele portão onde ele deitou-se e onde mirava a caixa de correspondência, onde sabia está um pouco dela um pouco do que ela foi buscar e quem sabe a explicação que nunca recebera. Ansioso pra saber o que estaria ali, começou a correr de um lado para o outro e a bater na porta, perturbando o descanso de seu dono, latia e corria pedindo sua presença, apenas ele e seus olhos poderiam lhe explicar o que Isabella escreveu naquele bilhete.

Amanheceu e quando Fernando saiu Sansão já estava ali pronto, como se estivesse incumbido de uma grande missão, próximo a caixa de correspondência latia para seu dono. Que brincava com ele e percebia seu estado de euforia. Fernando calmamente separou as correspondências. Até nas mãos receber o bilhete de Isabella. Sentou-se e leu:

“Nunca fui embora! A distância não deixa longe o que está dentro! O que deixa é saudades e quando ela me visitou, voltei! Mas, As paredes estavam coloridas, a cama tinha um novo aroma e até o labrador me negou o sorriso! Desolada, percebi que já não morava em seu olhar!

Lene Dantas

2 comentários:

  1. Minha querida, não sei se por estar sensível demais, esse texto me arrancou lágrimas... Senti a dor do cão... Senti a dor da vida... E sem querer senti a dor de ainda me sentir viva. Uma história muito linda e tocante... Triste como todo romper de uma existência, pois há muitas formas de ver uma existência se esvaindo.
    Parabéns pelo belo trabalho.
    Gil Ordonio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Gil Ordonio! Estou muito feliz de saber que você gostou e que de alguma forma o conto tocou você! Agradeço pela atenção que teve em comentar, fico realmente muito grata ! Tenha um dia abençoado!! Volte sempre!!! Beijos

      Excluir